Bomba: Sérgio Moro e Deltan Dallagnol teriam articulado a condenação de Lula?







Uma bomba estourou ontem e vai sacudir todo o Brasil, em especial o governo Bolsonaro e a Operação Lava-Jato.

O site The Intercept Brasil publicou uma reportagem extensa onde denúncia uma série de conversas privadas entre o então Juiz Sérgio Moro e o procurador Deltan Dallagnol, coordenador da Operação Lava Jato e acusador de Lula.

As trocas de mensagens ocorreram pelo aplicativo Telegram e o teor das conversas que contém textos, áudios, vídeos e arquivos é justamente sobre o processo de acusação de Lula.

Moro, alguns dias antes, informou que seu celular havia sido hackeado.

Apesar de Moro amenizar os fatos afirmando que é "normal" um Juiz dialogar com diversos profissionais ligados ao judiciário, dentre as conversas mantidas com Dallagnol está a preocupação em impedir que Lula concedesse uma entrevista antes da eleições afim de evitar um possível favorecimento ao candidato Haddad.


Se você é leigo e está se perguntando o que há de grave nisto, eu te respondo:

Uma condição fundamental para que um juiz possa exercer sua função é o princípio da imparcialidade, sem esta qualquer julgamento será considerado inválido.

Dentro deste princípio está vetado ao juiz a relação com qualquer uma das partes, tanto com o acusado quanto com o acusador, sendo de responsabilidade do juiz afastar-se do caso voluntariamente quando houver qualquer tipo de relação com uma das partes envolvidas. O artigo 95 da CF ainda cita que é vetado ao juiz dedicar-se à atividade político-partidária.

O fato do celular ter sido hackeado muda alguma coisa?

A princípio são dois fatos distintos, invadir a privacidade alheia é crime, porém articular uma acusação que culmina com uma condenação também é crime. Um fato não anula o outro e ambos os fatos devem ser rigorosamente apurados.


Vale salientar que, neste caso, a ação do juiz condenando o acusado repercutiu diretamente nos resultados das eleições presidenciáveis de 2018, já que o condenado liderava todas as pesquisas eleitorais como candidato a presidente.

E aí, qual será o destino da Lava-Jato, Lula será libertado e Moro condenado?

Como será resolvido a questão eleitoral já que, se estas conversas entre Moro e Dallagnol forem autênticas e comprovadas, caracteriza-se uma ação afim de impedir que Lula fosse candidato a Presidente da República em 2018?

Cabeças irão rolar e muitas coisas vai mudar a partir desta bomba que, eu diria, ainda está armada e prestes a estourar. O que vimos até agora foram apenas um esquenta para o "espetáculo pirotécnico" que está prestes a começar.


Nenhum comentário:

Postar um comentário