SANTANDER financia Exposição que contém Pedofilia e Blasfema o Catolicismo


Uma grande polêmica originou-se envolvendo o Banco Santander, mais especificamente o seu Espaço Cultural localizado na cidade de Porto Alegre no Rio Grande do Sul.

Este banco financiou e cedeu seu Espaço Cultural para uma Exposição sobre a diversidade, até aí tudo bem! Afinal, devemos acolher a todos e uma empresa não pode fazer diferenciação de raça, cor ou gênero.

Porém, com o título QUEERMUSEU, que significa "MUSEU DA BICHA", a exposição chocou muitas pessoas que passaram por lá, devido a seu conteúdo com cenas de sexo bizarro.

Dentre as figuras expostas haviam imagens de sexo com animais (zoofilia), erotização de crianças (pedofilia) e obscenidades com imagens sacras, de Cristo e Maria. Inclusive haviam "imitações" da Hóstia Sagrada com palavras obscenas.

A Hóstia Sagrada é o tesouro da Igreja Católica, pois na Eucaristia, para nós católicos, há a presença Real de Cristo, o Seu Corpo e seu Sangue.

Lembrando que a blasfêmia contra o Sagrado é crime previsto pelo Código Penal, veja o que diz o CP:

Art. 208 - Escarnecer de alguém publicamente, por motivo de crença ou função religiosa; impedir ou perturbar cerimônia ou prática de culto religioso; vilipendiar publicamente ato ou objeto de culto religioso:
Pena - detenção, de um mês a um ano, ou multa.

Parágrafo único - Se há emprego de violência, a pena é aumentada de um terço, sem prejuízo da correspondente à violência.


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


"A Exposição, sob a responsabilidade do Curador Gaudêncio Fidélis, financiada pelo Banco Santander em R$ 800.000,00 (Oitocentos Mil Reais) através da Lei Rouanet, iniciou-se no dia 15 de agosto deste ano e seguiria aberta para visitação, com entrada gratuita, até o dia 08 de outubro.

Porém, devido a grande manifestação de repúdio nas redes sociais do Banco Santander, a Exposição foi cancelada no dia 10 de setembro, domingo, e o Santander Cultural publicou a seguinte nota em sua página no facebook:

NOTA SOBRE A EXPOSIÇÃO QUEERMUSEU

Nos últimos dias, recebemos diversas manifestações críticas sobre a Exposição Queermuseu - Cartografias da diferença na Arte Brasileira. Pedimos sinceras desculpas a todos os que se sentiram ofendidos por alguma obra que fazia parte da mostra.

O objetivo do Santander Cultural é incentivar as artes e promover o debate sobre as grandes questões do mundo contemporâneo, e não gerar qualquer tipo de desrespeito e discórdia. Nosso papel, como um espaço cultural, é dar luz ao trabalho de curadores e artistas brasileiros para gerar reflexão. Sempre fazemos isso sem interferir no conteúdo para preservar a independência dos autores, e essa tem sido a maneira mais eficaz de levar ao público um trabalho inovador e de qualidade.

Desta vez, no entanto, ouvimos as manifestações e entendemos que algumas das obras da Exposição Queermuseu desrespeitavam símbolos, crenças e pessoas, o que não está em linha com a nossa visão de mundo. Quando a arte não é capaz de gerar inclusão e reflexão positiva, perde seu propósito maior, que é elevar a condição humana.

O Santander Cultural não chancela um tipo de arte, mas sim a arte na sua pluralidade, alicerçada no profundo respeito que temos por cada indivíduo. Por essa razão, decidimos encerrar a mostra neste domingo, 10/09. Garantimos, no entanto, que seguimos comprometidos com a promoção do debate sobre diversidade e outros grandes temas contemporâneos.


CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE


Veja algumas das "artes" em exposição:



A Exposição aberta ao público, com entrada franca, permitia a visitação de crianças, algumas escolas organizaram a visitação de seus alunos a esta Exposição. Para os alunos que visitavam o QUEERMUSEU havia uma folder explicativo com 24 páginas e mais um material destinado ao professor, denominado o "Caderno do Professor".

O Movimento LGBT classificou o cancelamento da exposição como intolerância.

Na minha opinião, a diversidade ou orientação sexual, nada tem haver com sexo bizarro ou zombaria de crença religiosa.

Um dos maiores motivos do preconceito a homossexualidade esta na ligação desta com a promiscuidade, este tipo de arte expressa o pensamento de seus autores e organizadores, é um incentivo a acreditarmos que são realmente promíscuos e descrentes.

Felizmente, tenho certeza que tem muita gente de orientação homoafetiva que não compactua com tais "expressões culturais", duvido que alguns casais gays gostariam de levar seus filhos para visitar esta Exposição, outro grande exemplo, a Rogéria, que faleceu recentemente e foi uma das primeiras travestis brasileiras, em sua residência havia um pequeno altar com várias imagens, onde rotineiramente ela se debruçava em frente para fazer suas orações, duvido que a Rogéria concordasse com tal desrespeito ao Sagrado.

A "diversidade" exige respeito, mas respeito não se impõe, respeito se conquista!

Um comentário: